Pais ansiosos, filhos estressados

A maternidade/paternidade por si só traz uma grande responsabilidade e compromisso com a formação e educação dos filhos e, às vezes, nos coloca numa corrida para alcançar o troféu de melhor provedor e educador do mundo.

Pais ansiosos, filhos estressados
Criar e Educar,  Especial
3 de agosto de 2016

Quem não deseja o melhor para seus filhos? Mas como tudo na vida, esse melhor tem um preço. Vivemos cada vez mais uma sociedade de consumo, de resultados e competitiva, onde não apenas nós, como pais, precisamos avançar e nos destacar na vida, como também acabamos transferindo essa exigência para os filhos, direta ou indiretamente. Acabamos criando filhos estressados.

filhos estressadosNossa preocupação excessiva e constante com o bom resultado e sucesso como educadores nos coloca numa espiral de ansiedade crescente que sempre atinge a criança e o jovem. As expectativas, cobranças e inúmeras atividades que os pais oferecem e dirigem aos filhos atualmente trazem, de forma camuflada, cobranças de sucesso e diferencial futuro. Logicamente estamos falando dos excessos, afinal não há nada de errados em crianças terem outras atividades extracurriculares.

Filhos cada vez mais ocupados e atarefados com inúmeras atividades e pais cada vez mais ocupados com suas atividades e correrias do dia a dia acabam por produzir crianças estressadas. Crianças que não tem mais tempo livre direcionado para atividades lúdicas (e não apenas na frente da TV e computador) e sufocadas com a alta exigência dos pais e pouca paciência e disponibilidade dos mesmos.

Cobra-se amadurecimento dos filhos não como um processo natural, mas como uma necessidade de acompanhar o ritmo de vida dos pais, que imersos nesta sociedade apressada passam a acelerar seus filhos para torna-los independentes da sua atenção e também como forma de diferenciá-los das demais crianças.

Adultos ansiosos geram uma percepção na criança de urgência e de prontidão constante. Crianças exigidas além das suas possibilidades tornam-se inseguras, vacilantes, estressadas, excessivamente preocupada com coisas simples e com o tempo podem desenvolver sintomas variados.

Respeite o tempo do seu filho! Há tempo para tudo! Aproveite para curtir as coisas simples e básicas que é o convívio e a experimentação da vida junto a ele. Cobranças o mudo está cheio! Dê a seu filho tranquilidade para saber lidar com seu tempo e suas exigências, na hora certa!

Vânia Vidal de Oliva ─ Psicóloga Clínica

Vânia Vidal de Oliva - Autor MãezíssimaPsicóloga Clínica com 28 anos de experiência no atendimento de adolescentes, adultos e na orientação familiar. Atua hoje na Clinica Casa do Crescer na cidade de Curitiba. Colunista do site  Mãezíssima e do Blog da Clínica Base –BH.

posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *