Páscoa: oportunidade de aprendizagem sobre a vida!

Como usar a Páscoa para ensinar sobre a vida e fugir das armadilhas do consumismo e dos exageros? Um excelente texto da psicopedagoga Isabel Parolin

Páscoa: oportunidade de aprendizagem sobre a vida!
Especial
1 de abril de 2015

Todas as vezes que se vive momentos sociais em que existem maior apelo consumista, como é a Páscoa, nós, pais e educadores, deveríamos ficar ainda mais atentos às múltiplas possibilidades educativas que podemos aproveitar em benefício dos nossos filhos e aprendizes.

Faço esse alerta por observar que a tendência de muitas pessoas é a de acabar sucumbindo a essa onda de consumismo, da qual, antes mesmo de se tomar consciência, já se foi manipulado pela propaganda e já se está comendo ou  comprando o que nos sugere o momento festivo.

Muitas pessoas constroem sentimentos de menos valia e acabam não valorizando o que são por não possuírem o que é veiculado como “necessário” para uma boa Páscoa, ou para serem aceitos como pessoas “de bem”, ou ainda, o que é pior, para se sentirem felizes.

Verdadeiros exageros são cometidos em nome da Páscoa!

Percebe-se, também, que muito pouco tem sido feito para revelar essa outra face da nossa sociedade às crianças que têm e querem tudo que vêem.  Por um lado, há crianças desejando o que não podem ter e, por outro, crianças tendo e consumindo muito mais do que seria o adequado.

É muito comum que pais acabem se esforçando muito mais do que poderiam para dar algo ao filho, como um ovo de Páscoa bem grande, ou muitos ovos em uma bela cesta, crendo que estão cumprindo com a tarefa de serem bons pais.  Nossa tarefa diante das crianças e jovens é questionar, é refletir, é criar espaços para a dúvida e desestabilizar o que está exposto como verdadeiro.

Uma forma de educar e dar os limites necessários para nossos aprendizes é rever o sentido da Páscoa e questionar a necessidade de ganhar muitos ovos, ou grandes ovos, como coroamento dessa data religiosa.

E se as crianças que ganham chocolates, sem limites, de seus pais, tios e padrinhos, igualmente sem limites, doassem a crianças menos favorecidas parte do seu acervo de chocolates? Além de aprenderem que podem fazer algo concreto por alguém, esses aprendizes aprenderiam a enxergar o outro lado da nossa sociedade.

Limitar o ganho das crianças, explicando que não será o chocolate ou o tamanho dele que demonstrará o quanto ele é amado e importante, será muito mais valioso.

Nossas crianças dependem do nosso discernimento e das nossas intervenções educativas para se construírem como cidadãos e enfrentar as incertezas, as dificuldades que certamente enfrentarão da busca do bem viver. Urge prepará-los para conviver e entender as diferenças, inclusive as sociais; prepará-los para fazer a leitura social adequada, considerando que nem todos podem e possuem tudo que é proposto pela mídia é aprendizagem valiosa.

Em verdade, precisamos trabalhar com nossos filhos e alunos tendo o objetivo de construir o seu senso crítico e valorizar a possibilidade de dizer Não, sempre que necessário! Só dessa maneira os Sins que a vida nos dá serão valorizados e tidos como momentos felizes!

Boa Páscoa!

Isabel Parolin ─ Pedagoga e Psicopedagoga

Isabel Parolin- Autor do Mãezíssima
 Pedagoga, psicopedagoga clínica e consultora institucional. Professora de cursos de pós-graduação na área de aprendizagem. Palestrante para pais. Autora do livro PAIS EDUCADORES – É proibido proibir? Da editora Mediação. Do livro Professores Formadores, da editora Positivo e organizadora e co-autora do livro Aprendendo a Incluir e Incluindo para Aprender, da Pulso Editorial  E-mail: isabel.parolin@bbs2.sul.com.br

posts relacionados

Comments are closed.