Somos todas Mães Perfeitas (SQN)

Imagina uma reunião de mães para falarem abertamente suas culpas, dilemas, dificuldades do dia a dia? Esse é o encontro de mães perfeitas (sqn), com a mãe real Luciana Ivanike.

Somos todas Mães Perfeitas (SQN)
Especial
10 de agosto de 2017

Oi, meu nome é Luciana e estou há 38 minutos sem surtar! Bem vinda à reunião das Mães Perfeitas (SQN). Um lugar seguro, onde você pode compartilhar seus medos, angustias, falhas, erros e acertos sem se preocupar em ser julgada, apedrejada, exorcizada ou qualquer outro ADA que acompanha a maternidade.

Fui mãe aos 25 anos, era inexperiente (e que mãe de primeira viagem não é?). Mas, vou te contar um segredo: a sociedade não está preparada para acolher uma mãe de primeira viagem. Fui julgada, ameaçada, me senti apavorada. Tinha muito medo de que acontecesse qualquer coisa com a minha filha, pois a experiência já havia me mostrado que, estivesse eu perto ou não, a culpa era minha. Sempre minha!

Demorei 4 anos para ter minha segunda filha. Durante a gestação eu já tinha me munido de toda agressividade possível. Como está na moda dizer, havia me “empoderado”. E nessa época, descobri que nem só de culpa com relação aos filhos uma mãe é feita. Ela também é responsável pelo sucesso (ou não) do seu relacionamento. Culpa pela segunda filha ser a criança mais dependente de colo e peito que eu já havia visto na vida. Culpa porque todos ligavam dizendo o que eu devia ou não fazer e que se não fizesse, estaria submetendo a criança ao sofrimento eterno. Culpa porque meu relacionamento tinha acabado e foi resgatado por um nascimento e aí, rebola filha pra resgatar o marido! Por que não se arrumou mais? Por que não se dedicou mais ao marido? Sim, a sociedade é realmente muito cruel com as mulheres!

Depois de um ano e dez meses, a surpresa: GRÁVIDA! Sério mesmo universo? Enfim… Foi o sinal de que eu tinha nascido para isso! Minha vocação era ser mãe. E, depois de seis anos sendo mãe, muita coisa começou a fazer sentido. Na verdade, a ficha caiu quando ouvi :”como VOCÊ deixou isso acontecer!”. Sim, a culpa era minha, aos olhos da sociedade machista, preconceituosa e cruel, eu engravidei sozinha! A culpa era minha, novamente! Mas aí, quer saber? Nos momentos mais difíceis, nas maiores dores, no maior sufoco, eu estava sozinha! Afinal, sou mãe, mulher, tenho que ser forte e assumir TODA responsabilidade de TUDO!

Eu já saí correndo com criança passando muito mal, e deixei as outras dormido em casa de madrugada! #menasmain Eu já gritei com as minhas filhas e chorei depois, aceitando ser consolada por mãos tão pequeninas que mal seguravam as minhas mãos, porque estava tão exausta da culpa, da cobrança, da pressão! #menasmain Eu já me tranquei no quarto para pedir à Deus que tirasse o ódio que eu sentia por não poder participar do evento que eu tanto queria, porque a vida de TODOS os membros da minha família é mais importante do que o que eu desejo! #menasmais Eu já joguei brinquedo no lixo porque não aguentava mais a briga das três pelo mesmo brinquedo! #menasmain Eu já pensei em ir embora, porque a pressão de educar mulheres em um mundo onde a mãe delas é julgada, cobrada, culpada o tempo todo, mesmo fazendo o seu melhor, foi muito maior do que o amor que sinto pelas minhas filhas! #menasmain

Mas, tudo ficou mais leve quando entendi o que nos leva a aceitar essas culpas! Desde que nascemos, somos levadas a acumular memórias de mães perfeitas. São pedacinhos de memórias que nos fazem idealizar a maternidade. A mãe da amiga que fazia lindos penteados para ela ir para a escola. A mãe do amiguinho que servia um lanche delicioso quando estávamos brincando na casa dele. A mãe da amiguinha que a pegava no colo e sorria amorosamente sempre que ela a encontrava. A mãe do amiguinho que, mesmo tendo avisado mil vezes para o pestinha não subir em lugar perigoso, beijava o machucado resultado da desobediência.

Pegamos esses pedacinhos e montamos um mosaico da mãe perfeita! Ela é linda, cabelos sempre arrumados, maquiagem impecável, corpo escultural. Abraço fraternal, olhar meigo, sempre paciente e amorosa. Ela, mesmo amamentando, é radiante, perfumada e linda! Esse é o nosso modelo. Porém, esse modelo não existe!

Aquela mãe que julga todas as outras nos grupos de mães do Facebook, não é perfeita! Ela mente se diz que nunca se sentiu exausta como mãe. Ela mente se diz que nunca fez vista grossa pelo filho dormir sem escovar os dentes. Ela mente se diz que o relacionamento conjugal continua intacto depois da maternidade. E chegamos a frase que mais me definiu durante toda a minha trajetória materna: “Eu era uma mãe perfeita, até ter filhos!” mãe perfeita

Quando tive filhos, passei a olhar para o mosaico tão de pertinho, que era capaz de ver o cacos que eu tinha acumulado! Eram disformes, tortos… Eu não sei do que a mãe abriu mão para que a amiguinha chegasse com aqueles cabelos perfeitos na escola! Ou então, o esforço que a outra mãe fez para preparar o lanche delícia! Quantas vezes a mãe surtou com o filho desobediente! Quantas vezes a mãe chorou porque estava tão cansada e precisava lutar para encher a filha de carinhos! O mosaico materno é lindo de longe! Mas de perto…

Bem vindas à maternidade real! Somos todas Mães Perfeitas (SQN)! Somos mães perfeitas para nossos filhos, tenha certeza que é isso o que eles sentem!

Luciana Ivanike – esposa, mãe da Daniela de 11 anos, da Alice de 7 anos e da Catarina de 4 anos. Inspirada e ministrante dos assuntos relacionados à maternidade contemporânea. Bióloga de formação, atualmente pós-graduanda MBA em Administração, Finanças e Negócios. Sócia-proprietária da empresa Carinho da Pano, especializada em carregadores de bebê. Estudiosa do movimento das Mom-Preneurs (mães empreendedoras) e entusiasta do Empreendedorismo Feminino. Promove o apoio às mães durante o puerpério e defensora da maternidade real. Ministra palestras sobre a maternidade real, puerpério, empreendedorismo X família e empreendedorismo X maternidade.

posts relacionados

Sem posts relacionados

1 Comment

  • Grace, adorei o post! Conheci seu blog esses dias, amei o conteúdo e a campnha Toda Mãe é Mães. Acho a pauta linda, as peças dos banners ficaram encantadoras tb, disponibilizei no meu blog. Parabéns pela iniciativa!
    Bjs e sucesso sempre!
    Carol

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *